Ceia de Natal Amaldiçoada

            O vento frio uiva pela cidade, a neve caindo lentamente e se acumulando nos telhados das casas. Uma véspera de Natal normal, famílias se reunindo e presentes sendo dados e recebidos. E foi assim que a noite de Gabrielle e sua família seguiu até o pesadelo começar. Agora ela está correndo desesperadamente pelo corredor no primeiro andar de sua casa, tentando encontrar sua família, enquanto retratos voam sobre sua cabeça. Seu coração batendo no mesmo ritmo que os retratos atingem as paredes, uma sinfonia diabólica na véspera de Natal.

            “Meu Deus! Porque ele teve que comprar aquele maldito colar!” ela grita. “Eu disse a ele que foi amaldiçoado. Eu senti a presença espiritual nele.”

            Gabrielle é uma menina de 12 anos que, apesar de ninguém acreditar nela, é uma médium capaz de ver e conversar com os espíritos.

            Finalmente, ela chega ao quarto dos pais e encontra sua mãe, Megan, sentada no canto, abraçando as pernas e de frente para a porta, com os olhos vidrados de medo. Quando ela se aproxima, ela percebe as marcas da noite em seu corpo: várias contusões nos braços, pernas e rosto; um corte na cabeça, o sangue ainda pingando, prejudicando a visão do olho direito.

            “Você está bem, mãe? Vamos sair daqui e encontrar papai e Michael”, diz ela, tentando soar o mais gentil possível.

            “Fique longe de mim!” a mãe dela grita.

            “Sou eu, mãe. Por favor, acalme-se,” ela responde, ainda mais gentil.

            “Atrás de você!”

            Quando Gabrielle se vira, ela vê uma onda de objetos voadores de todos os tipos vindo em sua direção. Ela congela, incapaz de reagir. A mãe dela a agarra e coloca seu corpo na frente do de Gabrielle. Então, de repente, seu pai, Frank, e seu irmão, Michael, arrombam a porta e entram na sala, atingindo os objetos voadores com seus tacos de beisebol.

            “Pare com isso!” Gabrielle de repente grita, e então todos os objetos caem, dando-lhes tempo para respirar. Eles se encaram, tentando encontrar uma saída para esta situação.

            “Tenho um plano, mas você não vai gostar”, diz Gabriele.

***

            Eles estão de pé diante da sala de jantar; o cheiro de peru ainda impregna o ar misturado com o cheiro de vinho vindo de uma garrafa quebrada ao lado da mesa. E a mesa é a única coisa que permanece intacta na casa, com pratos, copos, garfos e facas ficando exatamente onde deveriam estar; uma ilha de paz em meio a um mar de caos e destruição com móveis destruídos e todo tipo de objetos por todo o lugar, como se um tornado tivesse passado deixando apenas as paredes e o teto no lugar.

            “Eu vou”, Gabrielle finalmente diz, olhando com convicção para a sala de jantar. À medida que ela se aproxima, o ar fica mais pesado e o movimento se torna mais difícil, como se ela estivesse caminhando contra um vento forte. Os objetos na mesa começam a tremer e ela sente a furiosa intenção do espírito.

            “Sei que você pode me ouvir. Por favor, só quero falar com você, ajudá-lo,” Ela diz ao espírito que ainda não é visível para ela. “Sei que você está sofrendo há muito tempo e eu sei que você quer ser livre. Mas você não poderá fazer isso se não nos deixar ajudá-lo. “

            No entanto, o espírito fica mais irritado e começa a atirar objetos em sua direção. E assim, uma faca atinge sua coxa, encravando ali com firmeza; ela geme de dor, caindo de joelhos, lágrimas caindo sobre o rosto.

            “Gabrielle! Vou te destruir, espírito! Ninguém machuca minha garotinha!” Frank grita, indo para onde sua filha está. Mas Michael o impede, segurando-o e levando-o ao chão.

            “Pare com isso, pai! Precisamos confiar nela! Ela é a única pessoa que pode fazer isso! ” ele diz.

            “Estou bem, pai. Posso fazer isso,” Gabrielle diz, levantando-se novamente. O pai dela ainda não aceita isso, tentando se libertar de Michael. Ela olha para a mãe que, com um sorriso triste, acena com a cabeça.

            “Confio em você, querida”, diz ela.

Gabrielle respira fundo, assente e volta ao espírito que agora é visível para ela.

            “Eu não vou desistir. Vou ajudá-lo e salvar minha família. Diga-me por que você está fazendo isso”, diz ela, olhando diretamente para o espírito. A chuva de objetos fica pesada novamente.

            “Entendo que você está com raiva. Você era uma garotinha como eu, mas seu pai fez coisas horríveis para você na véspera de Natal. Ele quebrou você em todos os aspectos possíveis e depois jogou seu corpo no rio. E sua alma ficou presa dentro do colar que você estava usando,” diz Gabrielle.

            “Mas isso não é desculpa para machucar outras pessoas, pessoas inocentes. Eles não têm culpa,” ela continua. O espírito parece se acalmar um pouco.

            “Existe algo que possamos fazer por você? Algo que você deseja?” ela pergunta gentilmente.

            “Podemos fazer isso”, ela diz de repente, depois se vira para sua família e afirma, “Teremos um jantar de Natal com ela, o que ela não pôde desfrutar em vida. Isso libertará sua alma.”

            Neste momento, nada mais os choca e eles aceitam sem questionar.

***

            Um jantar de Natal normal, exceto pela cadeira vazia onde supostamente o espírito da garotinha estava sentado.  Todos, exceto Gabrielle, estavam nervosos sobre jantar com um espírito que quase os matou e destruiu sua casa, mas eles tentaram agir o mais normal possível para não perturbar o espírito novamente. Depois de um tempo, o espírito ficou satisfeito e, depois de agradecer a Gabrielle, transcendeu para o outro lado, finalmente alcançando a paz que desejava.

            “Você sabe, garotinha”, Frank diz com um sorriso cansado, “você estava certa desde o início. Da próxima vez, jogarei o presente o mais longe que puder antes de abri-lo.”


Publicação original (em inglês) em: http://adelaidemagazine.org/2020/02/20/cursed-christmas-dinner/

Imagem retirada de: https://pxhere.com/pt/photo/1614632

Alexandre Souza

Alexandre Souza é um escritor brasileiro que escreve historias sombrias e sobrenaturais, e também explora fantasia e ficção histórica. Ele está adquirindo um Bacharelado em Belas-Artes em Escrita Criativa na Full Sail University. Ele têm contos publicados na Adelaide Magazine e na Scarlet Leaf Review. Ele é um apaixonado por mitologia e pelo sobrenatural, e usa isso para aprimorar seu trabalho.

Deixe uma resposta

Voltar ao topo
pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: